Pesquisar neste blog

A principal fonte dos textos postados aqui é da Internet, meio de informação pública e muita coisa é publicada sem informações de Copyright, fonte, autor etc. Caso algum texto postado ou imagem não tenha sua devida informação ou indicação, será escrito (autoria desconhecida). Caso souberem, por favor, deixe um comentário indicando o ou no texto, ou caso reconheçam algum conteúdo protegido pelas leis de direitos autorais, por favor, avisar para que se possa retirá-lo do blog ou dar-lhe os devidos créditos. Se forem utilizar qualquer texto postado aqui, por favor, deem os devidos créditos aos seus autores. Obrigada!

Abençoados sejam todos!

20 de jul de 2017

Panteão Indígena Brasileiro

Panteão Indígena Brasileiro


Nhanderu e a roda dos mundos
Nhanderu também chamado de Iamandu (o deus sol) cuja expressão é Tupã (trovão) junto com Araci tambem chamada Iaci ou Jaci (a deusa lua) são as duas primeiras entidades do Edhen a cruzar a barreira com paradísia na América do Sul num lugar descrito como um Monte na região do Aregúa (paraguai). E de lá criaram os animais, plantas da américa do sul e as primeiras criaturas místicas , iniciando o povoamento de paradía.

Nhenderu criou Rupave e Sypave em uma cerimônia elaborada, formando estátuas de argila do homem e da mulher com uma mistura de vários elementos da natureza. Depois de soprar vida nas formas humanas, deixou-os com os espíritos do bem e do mal. Rupave e Sypave ("Pai dos povos" e "Mãe dos povos") tiveram três filhos e um grande número de filhas. O primeiro dos filhos foi Tumé Arandú, considerado o mais sábio dos homens e o grande profeta do povo Guarani. O segundo filho foi Marangatu, um líder generoso e benevolente do seu povo, e pai de Kerana, a mãe dos sete montros legendários do mito Guarani. Seu terceiro filho foi Japeusá, que foi, desde o nascimento, considerado um mentiroso, ladrão e trapaceiro, sempre fazendo tudo ao contrário para confundir as pessoas e tirar vantagem delas. Ele eventualmente cometeu suicídio, afogando-se, mas foi ressuscitado como um caranguejo, e desde então todos os caranguejos foram amaldiçoados para andar para trás como Japeusá.


Mito guarani da criação
A figura primária na maioria das lendas guaranis da criação é Iamandu (ou Nhanderu ou Tupã), o deus Sol e realizador de toda a criação. Com a ajuda da deusa lua Araci, Tupã desceu à Terra num lugar descrito como um monte na região do Aregúa, Paraguai, e deste local criou tudo sobre a face da Terra, incluindo o oceano, florestas e animais. Também as estrelas foram colocadas no céu nesse momento.

Tupã então criou a humanidade (de acordo com a maioria dos mitos Guaranis, eles foram, naturalmente, a primeira raça criada, com todas as outras civilizações nascidas deles) em uma cerimônia elaborada, formando estátuas de argila do homem e da mulher com uma mistura de vários elementos da natureza. Depois de soprar vida nas formas humanas, deixou-os com os espíritos do bem e do mal e partiu.

Nhanderuvuçú é considerado Deus supremo na religião primitiva dos índios brasileiros.

Nhanderuvuçú não tem forma humana a chamada forma antropomórfica, é a energia que existe, sempre existiu e existirá para sempre, portanto Nhanderuvuçú existe mesmo antes de existir o Universo.

A única realidade que sempre existiu, existe e existirá para sempre é a energia a qual os índios brasileiros identificam como Nhanderuvuçú.

No princípio ele criou a alma, que na língua tupi-guarani diz-se "Anhang" ou "añã" a alma; "gwea" significa velho(a); portanto anhangüera "añã'gwea" significa alma antiga.

Nhanderuvuçú criou as duas almas e, das duas almas (+) e (-) surgiu "anhandeci" a matéria.

Depois ele disse para haver lagos, neblina, cerração e rios.

Para proteger tudo isso, ele criou Iara.

Nhanderuvuçú criou também Caaporã o protetor das matas por si só nascidas e protetor dos animais que vivem nas florestas, nos campos, nos rios, nos oceanos, enfim o protetor de todos os seres vivos.

Caaporã quando é evocado para proteger as plantas plantadas junto aos roçados dos índios é chamado por eles de forma carinhosa com o cognome de Ceci.

Caaporã em língua tupi-guarani significa "boca da mata "Caa = boca e Porã = mata"

Dizem as lendas que no meio dos animais protegidos por Caaporã apareceu mais um casal de animais.

A primeira mulher, Amaú (Sypave) e, o primeiro homem, Poronominare (Rupave).

Primeiros humanos
Os humanos originais criados por Tupã eram Rupave e Sypave, nomes que significam "Pai dos povos" e "Mãe dos povos", respectivamente. O par teve três filhos e um grande número de filhas. O primeiro dos filhos foi Tumé Arandú, considerado o mais sábio dos homens e o grande profeta do povo Guarani. O segundo filho foi Marangatu, um líder generoso e benevolente do seu povo, e pai de Kerana, a mãe dos sete monstros legendários do mito Guarani (veja abaixo). 

Seu terceiro filho foi Japeusá, que foi, desde o nascimento, considerado um mentiroso, ladrão e trapaceiro, sempre fazendo tudo ao contrário para confundir as pessoas e tirar vantagem delas. Ele eventualmente cometeu suicídio, afogando-se, mas foi ressuscitado como um caranguejo, e desde então todos os caranguejos foram amaldiçoados para andar para trás como Japeusá.

Entre as filhas de Rupave e Sypave estava Porâsý, notável por sacrificar sua própria vida para livrar o mundo de um dos sete monstros legendários, diminuindo seu poder (e portanto o poder do mal como um todo).

Crê-se que vários dos primeiros humanos ascenderam em suas mortes e se tornaram entidades menores.

Os sete monstros legendários
Kerana, a bela filha de Marangatu, foi capturada pela personificação ou espírito mau chamado Tau. Juntos eles tiveram sete filhos, que foram amaldiçoados pela grande deusa Arasy, e todos exceto um nasceram como monstros horríveis. Os sete são considerados figuras primárias na mitologia Guarani, e enquanto vários dos deuses menores ou até os humanos originais são esquecidos na tradição verbal de algumas áreas, estes sete são geralmente mantidos nas lendas. Alguns são acreditados até tempos modernos em áreas rurais. Os sete filhos de Tau e Kerana são, em ordem de nascimento:

1 - Teju Jagua, deus ou espírito das cavernas e frutas
2 - Mboi Tu'i, deus dos cursos de água e criaturas aquáticas
3 - Moñai, deus dos campos abertos. Ele foi derrotado pelo sacrifício de Porâsý
4 - Yacy Yateré, deus da sesta, único dos sete a não aparecer como monstro
5 - Kurupi, deus da sexualidade e fertilidade
6 - Ao Ao, deus dos montes e montanhas
7 - Luison, deus da morte e tudo relacionado a ela

O Mito: A criação da Noite
Nas Aldeias de todo o mundo, nas terras dos índios, era sempre dia. Nunca havia noite, estava sempre claro. Os homens não paravam de caçar, nem as mulheres de limpar, tecer e cozinhar. O sol ia do leste ao oeste e depois refazia o caminho, ia do oeste ao leste, seguindo assim.

Mas teve um dia que o caso mudou. Quando Tupã, aquele que controlava tudo, havia saído para caçar, um homem muito curioso tocou no frágil Sol para saber como funciona. Então o Sol que dava luz e calor havia se apagado, havia quebrado em mil pedacinhos. Então as trevas haviam reinado na aldeia.

Tupã não se conformou com tal atitude do homem, e o transformou em um novo animal, que tinha as mão douradas como o Sol que brilhava. E deu-se o nome àquele bicho de macaquinho-de-mão-d'ouro. Tupã então tratou de refazer o Sol. Mas ele só ia ao oeste e não conseguia voltar. Então criou assim a Lua e as estrelas para iluminarem a noite. E assim ia, o Sol ia até o poente, não voltava, e então vinha a Lua e as estrelas. Acabava a noite e o Sol voltava. mas o sol sempre sorrindo ia e um dia viu a lua orgulhoso do que fez

Enfim os índios Brasileiros adoram o que existe de fato, adoram somente o que é realmente real, os fenômenos naturais, o clima, a natureza, apenas as coisas reais. "A realidade é a única verdade em que podemos acreditar".

"Tupã-Cinunga" ou "o trovão", cujo reflexo luminoso é tupãberaba, ou relâmpago cuja voz se faz ouvir nas tempestades sua morada é o Sol.

Tupã representa um ato divino, é o sopro da vida, e o homem a flauta em pé, que ganha a vida com o fluxo que por ele passa."


O PANTEÃO 

ANGATUPRI - Espírito ou personificação do bem

ANHANGÁ - Deus Infernal

ANHUM - Deus do Canto e da Música, neto de Tupã tocava Taré.

ARACI - Na mais longínqua e remota antiguidade, Itaquê, o mortal, amou a imortal Deusa Lua Jaci. Dessa união, nasceu Araci, que ao morrer, foi elevada aos céus por sua mãe, tornando-se a ninfa das manhãs e da aurora.

BOTO - Deus dos abismos dos mares, que governa os oceanos e habita a sagrada Loca, que é a habitação dos Deuses marinhos no fundo das águas. 

COROACY - Deusa Solar ou a Mãe do Dia. Ela representa a primeira visão do Sol matinal.

CURUPIRA - Foi enviado para terra por Tupã para proteger os campos e florestas.

CY - A Mãe de Todos, a encarnação da Terra e de todos os ventres grávidos.

DEUSA ARANHA - Deusa tecelã da vida que trouxe nos fios de sua teia os Caiapós do espaço para habitar a Terra.

GUARACY - Deus Sol.

IAVU-RÊ-CUNHÃ - Duende da Mata dos Kamaiurá.

JACY - Deusa-Lua, a poderosa Mãe da Noite e Senhora dos Deuses. Tem duas formas: Jacy Omunhã (Lua Nova) e Jacy Icaua (Lua Cheia).

JURUTI - A Mãe dos rios.

KATXURÉU - Deusa da Morte dos indígenas.

MARA - Deusa das Trevas.

MULHER ARARA - Deusa Mãe que possui o poder de transformar-se tanto em pássaro como em mulher.

NAIÁ - Fada que habita a flor da planta conhecida por Vitória-Régia.

NETE BEKU - Deusa Mãe que ensinou aos Kaninawás sobre o uso dos vegetais.

NHARÁ - Deus do Inverno.

PÉDLERÉ - Deusa da Morte dos índios krahôs.

PÔLO - Deus do Vento e Mensageiro dos Deuses.

POMBERO - Um espírito popular de travessura.

PYTAJOVÁI - Deus da guerra.

RUDÁ - Deus do Amor, encarregado da fertilidade e da reprodução.

SETE ESTRELO - O Deus das Plêiades.

SUMÁ - Deusa da Ira, que envolta em uma manta negra de cipó chumbo, vagava pela terra, espalhando ódio e discórdia. Era uma Deusa Guerreira que orientava e protegia a agricultura. Uma lenda bem antiga, afirma ser ela filha legítima de Tupã e Jaci.

TAMBA-TAJÁ - Deus do Amor.

TAU - Deus/Espirito do Mau.

TATAMANHA - Deusa das Labaredas e das faíscas.

TICÊ - Esposa de Anhangá (Deus Infernal).

TIRIRICAS - Deusas da Raiva, do Ódio e da Vingança.

TOLORI - Deus da Tempestade e inimigo das mulheres.

TUPÃ - (que na língua tupi significa trovão) é uma entidade da mitologia tupi-guarani.

Os indígenas rezam a Nhanderuvuçu e seu mensageiro Tupã. Tupã não era exatamente um deus, mas sim uma manifestação de um deus na forma do som do trovão. É importante destacar esta confusão feita pelos jesuítas.Nhanderuete, "o liberador da palavra original", segundo a tradição mbyá, que é um dialeto da língua guarani, do tronco lingüístico tupi, seria algo mais próximo do que os catequizadores imaginavam.

Câmara Cascudo afirma que Tupã "é um trabalho de adaptação da catequese". Na verdade o conceito "Tupã" já existia: não como divindade, mas como conotativo para o som do trovão (Tu-pá, Tu-pã ou Tu-pana, golpe/baque estrondante), portanto, não passava de um efeito, cuja causa o índio desconhecia e, por isso mesmo, temia. Osvaldo Orico é da opinião de que os indígenas tinham noção da existência de uma Força, de um Deus superior a todos. Assim ele diz: "A despeito da singela idéia religiosa que os caracterizava, tinha noção de Ente Supremo, cuja voz se fazia ouvir nas tempestades – Tupã-cinunga, ou "o trovão", cujo reflexo luminoso era Tupãberaba, ou relâmpago. Os índios acreditavam ser o deus da criação, o deus da luz. Sua morada seria o sol

Para os indígenas, antes dos jesuítas os catequizarem, Tupã representava um ato divino, era o sopro, a vida, e o homem a flauta em pé, que ganha a vida com o fluxo que por ele passa.

UALAIMKÍPIA - Deusa-Pássaro da Morte equivalente a Deusa grega Hécate.

UIAPURU - O Deus do amor do mundo alado, o pássaro encantado considerado o orfeu amazônico.

VITÓRIA RÉGIA - Deusa-fada do reino vegetal.

XUNDARUÁ - Deusa Peixe-Boi padroeira da pesca e dos pescadores. 

YARA - (também chamada de "Mãe das Águas"), segundo o Mitologia Índigena, é uma lindissima Sereia morena, de longos cabelos negros e olhos castanhos, que costuma banhar-se nos Rios e Cachoeiras, cantando uma Melodia de Beleza irresistível. Os homens que a vêem não conseguem resistir a seus desejos e pulam nas Águas, e ela então os leva para o fundo; quase sempre não voltam vivos. Os que voltam ficam loucos, e apenas uma benzedeira ou algum ritual realizado por um Pajé consegue curá-los. Os Índios têm tanto medo da Iara que procuram evitar os lagos ao entardecer.Iara antes de ser sereia era uma índia guerreira, a melhor de sua tribo. Seus irmãos ficaram com inveja de Iara pois ela só recebia elogios de seu pai que era pajé, e um dia eles resolveram tentar matá-la. De noite quando Iara estava dormindo seus irmãos entraram em sua cabana só que como Iara tinha a audição aguçada os ouviu e teve que matá-los para se defender, e com medo de seu pai fugiu. Seu pai propôs uma busca implacável por Iara. E conseguiram pegá-la, como punição Iara foi jogada bem no encontro do rio Negro e Solimões, os peixes a trouxeram a superfície e de noite a lua cheia a transformou em uma linda sereia, de longos cabelos negros e olhos castanhos.
Era o deus dos peixes. Era , segundo outros, a Sereia ou Mãe d'água, pois Y-Yára quer dizer - a que mora na água. A raça desses monstros marinhos chamavam de Y-Yára-ruoiara.

YANUBÊRI - Avó ancestral indígena muito poderosa.

YEBÁ BELÓ - A Avó do Universo.
“Yebá Beló fez a si mesma a partir de utensílios invisíveis e pensava em como deveria criar o mundo. Ainda não havia luz, Yebá então criou três trovões: do primeiro fez surgir Emeko, um ser invisível, do segundo Emeko criou o Sol e com poder concedido por Yebá Beló criou o homem. Do último trovão Emeko criou os animais. Yebá formou ainda a terra, com sementes do seu seio esquerdo e adubando com leite do seio direito. A criação se dá por completo, quando dois índios, Curu e Rairu, enviados por Tupã, estendem uma corda e puxam pessoas por um buraco na terra, dando início a povoação do mundo”

YUSHÃ KURU - Deusa feiticeira ou curandeira que ensinou os xamãs kaxinawás a curar. Conhecida também como a Fêmea Roxa, deu muitos conselhos e surgiram os remédios. Uns eram venenos para matar: olho forte, Beru Paepa. Mijo amargo, Isü Muka. Outro para coceira, Nui. A velha Fêmea Roxa observava bem as folhas e os pés das árvores: ─ Esse mato não é remédio forte.

E assim foi... Surgiram muitos remédios, todos os remédios que têm na mata. Remédio bom que cura as pessoas. Bom para picada de cobra, picada de escorpião, aranha, reumatismo e fígado.A Fêmea Roxa,
Yushã Kuru, conhecia bem todas as folhas desses remédios.

Depois não ensinava vira mais ninguém. Usava todos esses remédios sempre escondida de todo mundo. Até que um dia, a velha Fêmea começou a ensinar para neto dela, o tubo de sua filha. Ensinava a ele todos os remédios da mata que sabia. Ensinava também como preparar estes remédios. Também ensinava o remédio forte e venenoso para colocar feitiçono outro. E experimentava com ele para saber se ele tinha aprendido tudo que sua avó sabia.
Aprendeu a preparar o veneno para botar feitiço no outro. E, as vezes, com mato venenoso, tirar o espírito da pessoa.Quando a mulher moça ou o homem rapaz crescia bonito, ela botava feitiço. Quando o homem era trabalhador, a mulher fazia artesanato e quando esculhambava com a velha Fêmea Roxa ela também botava feitiço para essas pessoas morrerem.
Na aldeia, o povo nau sabia o que a Fêmea Roxa fazia. Passou muito tempo sem ninguém perceber a situação.

fonte: http://magosebruxasdobrasil.blogspot.com.br/2011/12/panteao-indigena-brasileiro.html

11 de set de 2013

Deus Ganesha

Feliz Dia de Ganesha! <br />No hinduísmo, Ganexa ou Ganesha ou "senhor dos obstáculos, Ele é o primeiro filho de Shiva e Parvati, e o esposo de Buddhi e Siddhi. Ele é chamado também de Vinayaka em Kannada, Malayalam e Marathi, Vinayagar e Pillayar (em tâmil), e Vinayakudu em Telugu. Ganesha é considerado o mestre do intelecto e da sabedoria. Ele é representado como uma divindade amarela ou vermelha, com uma grande barriga, quatro braços e a cabeça de elefante com uma única presa, montado em um rato. É habitualmente representado sentado, com uma perna levantada e curvada por cima da outra. Em geral, antepõe-se ao seu nome o título Hindu de respeito 'Shri' ou Sri.<br /><br />  Ganesha é o símbolo das soluções lógicas e deve ser interpretado como tal. Seu corpo é humano enquanto que a cabeça é de um elefante; ao mesmo tempo, seu transporte (vahana) é um rato. Desta forma Ganesha representa uma solução lógica para os problemas, ou "Destruidor de Obstáculos". Sua consorte é Buddhi (um sinônimo de mente) e ele é adorado junto de Lakshmi (a deusa da abundância) pelos mercadores e homens de negócio. A razão sendo a solução lógica para os problemas e a prosperidade são inseparáveis.<br />  O culto de Ganesha é amplamente difundido, mesmo fora da Índia. Seus devotos são chamados Ganapatyas.<br />Ganesha é o som primordial, OM, do qual todos os hinos nasceram. Quando Shakti (Energia) e Shiva (Matéria) se encontram, ambos o Som (Ganesha) e a Luz (Skanda) nascem. Ele representa o perfeito equilíbrio entre força e bondade, poder e beleza. Ele também simboliza as capacidades discriminativas que provê a habilidade de perceber a distinção entre verdade e ilusão, o real e o irreal.<br /><br />  De acordo às estritas regras da iconografia Hindu, as figuras de Ganesha com somente duas mãos são tabu. Por isso, as figuras de Ganesha são vistas habitualmente com quatro mãos que significam sua divindade. Algumas figuras podem ter seis, outras oito, algumas dez, algumas doze e outras catorze mãos, cada uma carregando um símbolo que difere dos símbolos nas outras mãos, havendo aproximadamente cinquenta e sete símbolos no total, segundo alguns estudiosos.<br />  A imagem de Ganesha é composta de quatro animais, homem, elefante, serpente e o rato. Eles contribuem para formar a imagem. Todos eles individual e coletivamente tem profunda significância simbólica.<br /><br />Retirado do Blog: Area das Bruxas.<br /><br />ADM. Adom.

No hinduísmo, Ganexa ou Ganesha ou "senhor dos obstáculos, Ele é o primeiro filho de Shiva e Parvati, e o esposo de Buddhi e Siddhi. Ele é chamado também de Vinayaka em Kannada, Malayalam e Marathi, Vinayagar e Pillayar (em tâmil), e Vinayakudu em Telugu. Ganesha é considerado o mestre do intelecto e da sabedoria. Ele é representado como uma divindade amarela ou vermelha, com uma grande barriga, quatro braços e a cabeça de elefante com uma única presa, montado em um rato. É habitualmente representado sentado, com uma perna levantada e curvada por cima da outra. Em geral, antepõe-se ao seu nome o título Hindu de respeito 'Shri' ou Sri.
Ganesha é o símbolo das soluções lógicas e deve ser interpretado como tal. Seu corpo é humano enquanto que a cabeça é de um elefante; ao mesmo tempo, seu transporte (vahana) é um rato. Desta forma Ganesha representa uma solução lógica para os problemas, ou "Destruidor de Obstáculos". Sua consorte é Buddhi (um sinônimo de mente) e ele é adorado junto de Lakshmi (a deusa da abundância) pelos mercadores e homens de negócio. A razão sendo a solução lógica para os problemas e a prosperidade são inseparáveis.
O culto de Ganesha é amplamente difundido, mesmo fora da Índia. Seus devotos são chamados Ganapatyas.
Ganesha é o som primordial, OM, do qual todos os hinos nasceram. Quando Shakti (Energia) e Shiva (Matéria) se encontram, ambos o Som (Ganesha) e a Luz (Skanda) nascem. Ele representa o perfeito equilíbrio entre força e bondade, poder e beleza. Ele também simboliza as capacidades discriminativas que provê a habilidade de perceber a distinção entre verdade e ilusão, o real e o irreal.
De acordo às estritas regras da iconografia Hindu, as figuras de Ganesha com somente duas mãos são tabu. Por isso, as figuras de Ganesha são vistas habitualmente com quatro mãos que significam sua divindade. Algumas figuras podem ter seis, outras oito, algumas dez, algumas doze e outras catorze mãos, cada uma carregando um símbolo que difere dos símbolos nas outras mãos, havendo aproximadamente cinquenta e sete símbolos no total, segundo alguns estudiosos.
A imagem de Ganesha é composta de quatro animais, homem, elefante, serpente e o rato. Eles contribuem para formar a imagem. Todos eles individual e coletivamente tem profunda significância simbólica.
Retirado do Blog: Area das Bruxas.

Obrigada: Jardim Secreto dos Deuses / facebook

13 de ago de 2013

Deusa Hécate

Saudação Hecate...!!!
Meu amor
que queima,
desaparecendo desejos
no fogo sagrado de tua fogueira...
E ainda que todo seja um sonho
devora-me completa
nas chamas
do teu eterno amor...
Na paz, no Amor y na Luz... sempre.


13-08,  Dia de Hécate

Nesta noite alie-se à Hécate para combater os obstáculos:
Escolha um anel de prata, consagre-o, pense em todos os obstáculos que deseja eliminar.
Use o anel até que todos estejam vencidos.
Ritual do Dia: Abrindo os Caminhos: Reverencie essa poderosa Deusa pedindo-lhe que a ajude a transmutar as sombras do passado, facilitar e guiar suas escolhas no presente e iluminar seu caminho no futuro.

Na Grécia, celebração da deusa tricéfala Hécate. Deusa da lua minguante, guardiã das encruzilhadas, senhora dos mortos e rainha da noite, Hécate era homenageada com procissões, em que se carregavam tochas e oferendas, as chamadas “ceias de Hécate”. Como uma deusa “escura”.
Hécate tinha o poder de afastar os espíritos maléficos, encaminhar as almas e usar sua magia para a regeneração. Invocava-se sua ajuda nesse dia para afastar as tempestades que poderiam prejudicar as colheitas.

fonte: teiadethea

fonte e agradecimentos: Orgulho de ser Pagão / facebook

18 de jun de 2013

Deusa Cerridwen

CERRIDWEN (Deusa da Fertilidade)


Para os galeses, Cerridwen é uma Deusa Tríplice (donzela, mãe e mulher idosa), cujo animal totêmico é uma grande porca branca. Ela é a mãe que conserva todos os poderes da sabedoria e do conhecimento. Ela é a Deusa que devemos reverenciar nos momentos de dificuldades e anulação de qualquer tipo de malefício. Ela é a Deusa do caos e da paz, da harmonia e da desarmonia.
Associa-se a morte, a fertilidade, a inspiração, a astrologia, as ervas, os encantamentos, o conhecimento.
A mulher de escorpião, do mesmo modo que sua Deusa regente, nunca se enquadra no meio termo: podem ser refinadas ou não. Tendem também a serem apaixonadas por tudo que fazem e possuem um forte espírito de liderança.
Com Cerridwen como aliada, as nativas de escorpião fazem e acontecem, portanto use seu potencial para dar continuidade aos seus projetos de vida que já estão em andamento.


Joias: ouro e prata
Cor da roupa: vermelha, preta ou branca.
Óleos: Poção do amor, sangue do dragão, almíscar, patchulli.
Ervas: damiana, dedaleira, lúpulo, trigo
Pedras: obsidiana, quartzo claro, turmalina preta.
Ritual de proteção: Toda as terças-feiras use uma peça do vestuário na cor vermelha.

fonte: Recanto das Bruxas / facebook

30 de abr de 2013

DEUSA CAILLEACH

Cailleach é a Anciã ancestral da Escócia, também conhecida como a Carline ou Mag-Moullach, representado o aspecto de velha da Deusa no ciclo anual.
Esta ligada às trevas e ao frio do inverno e assumiu a direção no ciclo das estações em Samhaim.
Ela porta um bastão negro do inverno e castigava a terra com frias forças contrativas que ressecavam a vegetação. Com a aproximação do fim do inverno, ela passava o bastão do poder para Brigid, em cujas mãos ele se tornava branco que estimulava a germinação das sementes plantadas na terra negra. As forças expansivas da natureza começavam então a se manifestar. (gancho com Imbolc)
Por vezes, essas duas deusas eram retratadas em batalha pelo controle da natureza: dizia-se até que Cailleach aprisionava Brigid sob as montanhas no inverno. Mas o melhor modo de vê-las é como duas facetas de uma deusa tríplice das estações: a Velha Cailleach do Inverno, a Donzela Brigid da Primavera e a Deusa-Mãe do viço do Verão e da frutificação do Outono. O nome do último membro dessa trindade não foi preservado na lenda folclórica com o mesmo cuidado. Talvez porque ela representava uma faceta demasiado pagã da Deusa, vinculada demais com a fecundidade e com as forças sexuais da vida.
Para os escoceses, Cailleach era aquela que cujo bastão negro, separava as montanhas, mudava a paisagem, previa o crescimento das ervas e comandava o tempo. Ficou conhecida também, como "Mulher de Pedra", porque era vista andando e carregando uma cesta cheia de pedras. Ocasionalmente deixava cair algumas, formando círculos de pedras. As montanhas também teriam sido criadas por pedras que a Deusa deixou cair da cesta.
Cailleach representava a terra coberta de neve e geada. Era uma Deusa da Transformação e guardiã da semente, que conserva dentro de si a força essencial da vida.

Enviado por Gaya

15 de abr de 2013

A semana de 15 a 21 de abril de 2013

por Vanessa Tuleski

Saiba qual vai ser o tom geral da semana, conhecendo os principais contatos que os planetas farão entre si. Acompanhe o dia a dia com a Lua, o astro mais rápido na astrologia, ficando cerca de dois dias em um determinado signo e influenciando diretamente o humor das pessoas. Os horários mencionados corresponderão ao horário de Brasília, ou seja, de três horas a menos do que em Greenwich.

Tom geral da Semana

Na segunda feira, Vênus ingressa em Touro, ficando neste signo até 9 de maio. A temática financeira, regida por este planeta, ganha relevância, tanto para ganhar quanto gastar e até mesmo desfrutar. As compras tendem a ser feitas com um olho mais clínico, seja para a qualidade ou para o aspecto estético, sendo esta também uma ótima época para realizar investimentos de maior porte e também cuidar da aparência! Os relacionamentos, igualmente influenciados por este planeta, tendem a ficar mais estáveis. Carinho, lealdade e afeto farão muita diferença! No que se refere ao amor, para solteiros e comprometidos, continue a leitura em http://www.personare.com.br/venus-em-touro-amor-estavel-e-sensual-m3087 .

Até a metade da semana, o Sol estará conjunto a Marte. Esta combinação traz energia, pique e iniciativa, eleva o desejo, mas também propicia um certo grau de irritabilidade, brusquidão e impaciência. Será preciso autocontrole para evitar reações desnecessariamente rudes. 

Da metade da semana em diante, Mercúrio fica conjunto a Urano, mas quadra Plutão. Ideias inovadoras, criativas. Por outro lado, o pensamento e a comunicação também poderão se tornar mais radicais. Pense bem antes de falar de maneira impulsiva e/ou destrutiva, a fim de evitar conflitos. Aparelhos e trânsito estarão mais sujeitos a panes e falhas. Também cuide com pensamentos muito ácidos e suspeitosos, embora talvez possa entender/descobrir coisas importantes, enxergando muito além da superfície.

De terça a sábado, Vênus estará em sextil com Netuno. Apesar das tensões, que poderão levar a radicalismo nas opiniões e posições e este aspecto mostrará o lado das pessoas mais desejoso de entendimento e relevar o que não seja importante.  No amor, sonhos, encaixe e romantismo. Conciliações também mais possíveis.  

Além de Vênus, mais dois planetas ingressam em Touro nesta semana: o Sol e Marte sendo que este segundo ficará neste signo até 31 de maio. A ênfase em Touro trará mais busca por estabilidade e segurança e motivação mais evidente pelos aspectos materiais da vida, que implicam em ganhar, gastar e desfrutar do dinheiro. Destaque para a sensualidade e prazer, mas maior dificuldade em mudar hábitos e também controlar gula e gastos. 

A partir do final de semana, Vênus em oposição com Saturno pode trazer algum tipo de obstáculo para a vida social ou para a integração entre as pessoas. Alguns poderão vivenciar sensação de carência ou isolamento, ou é possível que trabalho e preocupações interfiram um pouco na ideia de lazer.

A quadratura de Urano com Plutão, que estará presente nos próximos dois anos, estará particularmente ativa de meados de abril e ao longo de maio. É ela quem está por detrás do acirramento de posições e conflitos, mudanças climáticas mais frequentes e intensas e transformações que vêm levando aquilo que se conhecia como sendo estável para novas formas e várias figuras de autoridade atuando de maneira autoritária, sem muita consulta, ao estilo “doa a quem doer”. Na vida pessoal, algumas pessoas poderão se sentir mais pressionadas e em crise naqueles pontos em que suas vidas não vão bem. Para algumas, será necessário um pouco de calma e discernimento para não haver exagero e descontrole. Neste caso, um bom conselheiro, que puxe pelo bom senso, poderá ser de grande valia!

A Lua dia após dia

Segunda (15 de abril)  – LFC entre 16h41 e 23h48

A Lua em GÊMEOS faz com que as comunicações fluam de maneira  mais rápida e natural.

Entre 11h00 e 21h00, alta vitalidade! À noite, relacionamentos e contatos favorecidos.

Terça (16 de abril)

A Lua em CÂNCER torna-se propícia para atenção a vida pessoal e família.
Pela manhã, trânsito e comunicações poderão estar mais confusos. A partir das 15h00, agitação e chance de imprevistos diante dos quais será necessário tentar buscar estabilidade. À noite, potencial para crise ou intensidade.

Quarta (17 de abril)

Prossegue a Lua canceriana, que traz mais emotividade e necessidade de conexão.

Quinta (18 de abril) – LFC entre 9h30 e 12h11 – FASE LUNAR CRESCENTE

A Lua ingressa em LEÃO a partir das 12h11, deixando as pessoas mais extrovertidas. Hobbies e assuntos amorosos terão maior destaque.

Dia sujeito a tensões, com chance de desajuste e irritabilidade pela manhã. Maior carência e/ou indulgência a partir das 17h00. No final da noite, plano mental em maio equilíbrio. 

Início da fase lunar crescente, pedindo mais proatividade, com um aumento das exigências e desafios.
Sexta (19 de abril) – LFC entre 18h06 e 22h06 de sábado

O início da manhã poderá ser um pouco mais lento e emperrado, mas depois as coisas poderão fluir. Entre 14h00 e 22h00, abertura e otimismo!

Sábado (20 de abril)

Noite com pique e vitalidade!

A partir das 22h06, a Lua já em VIRGEM traz mais discernimento e atenção aos detalhes.

Domingo (21 de abril)

Manhã ótima para relaxar ou dormir até tarde. Entre 12h30 e 23h00, mais propício para se relacionar e maior poder de recuperação.      

texto vem daqui: http://vanessatuleski.com.br/v2/astrologia-e-para-usar/ceu-da-semana/a-semana-de-15-a-21-de-abril-de-2013/

11 de abr de 2013

A semana de 8 a 15 de abril de 2013

por Vanessa Tuleski

Saiba qual vai ser o tom geral da semana, conhecendo os principais contatos que os planetas farão entre si. Acompanhe o dia a dia com a Lua, o astro mais rápido na astrologia, ficando cerca de dois dias em um determinado signo e influenciando diretamente o humor das pessoas. Os horários mencionados corresponderão ao horário de Brasília, ou seja, de três horas a menos do que em Greenwich.

Tom geral da Semana

Sol, Vênus e Marte caminham conjuntos em Áries. Do lado positivo, esta combinação assinala maior poder de atração e sedução, energia, sensualidade, garra e vontade. Estimula começos e desejos pessoais. Hora de pensar em si mesmo. Ótimo para a prática de atividade física, que aumentará a disposição e a autoconfiança!  Facilidade em tomar decisões. Do lado negativo, será preciso controlar o comportamento para evitar falta de tato e menor paciência. Antes de ter reações explosivas, conte até dez ou pense em uma maneira mais efetiva de ser assertivo.

No sábado, Mercúrio ingressa em Áries, ficando neste signo até 1º de maio.  Este posicionamento irá trazer mais agilidade e entusiasmo na forma pensar e trabalhar.  Será preciso atentar, porém, para agitação mental, sobretudo à noite, podendo causar insônia.  

Saturno em sextil com Plutão ao longo de abril é um aspecto favorável para recuperar: saúde, relacionamentos, forma física, tempo perdido, etc. Se tem algo importante que você deseja recuperar, invista nisso! Positivo para focar e persistir. 

A Lua dia após dia

Segunda (8 de abril)  – LFC entre 1h11 e 16h01

A Lua em PEIXES traz flexibilidade. Às 16h01, ela passa para o signo de ÁRIES, favorecendo as ações individuais, ser mais independente, tomar decisões e agilizar assuntos. 

Terça (9 de abril)

Até 12h30, maior agitação. Entre 9h30 e 17h30, maior intensidade, por isto será melhor evitar atitudes que possam soar como sendo provocativas. À noite, expansividade. 

Quarta (10 de abril) – LFC entre 13h25 e 0h21 – FASE LUNAR NOVA

Entre 9h00 e 17h30, maior desejo por gratificação, impulsividade e doses de energia.

Início da fase lunar nova, perfeita para começos, novas atitudes, impulsos, ideias e também para cuidar de si mesmo e das próprias necessidades.

Quinta (11 de abril)

A Lua em TOURO combina praticidade, estabilidade e melhor expressão afetiva.

Até 13h00, maior harmonia. Entre 15h00 e 22h30, propício para maior seletividade e foco.  À noite, motivação e possibilidade de recuperação de desgastes (energéticos, emocionais etc.).

Sexta (12 de abril)

Prossegue a Lua taurina, com sua motivação por conforto e segurança.

Sábado (13 de abril) – LFC entre 9h31 e 11h12

A Lua ingressa em GÊMEOS às 11h12, favorecendo um final de semana comunicativo e a procura por estímulos e novidades.

Até 14h00, ótimo para comunicações e ideias. Das 16h30 em diante, possibilidade de atrasos e também de maior sensibilidade ou falta de foco.  

Domingo (14 de abril)

Manhã estimulante e com maior criatividade. Entre 12h00 e 20h00, expansividade.  

texto vem daqui: http://vanessatuleski.com.br/v2/astrologia-e-para-usar/ceu-da-semana/a-semana-de-8-a-15-de-abril-de-2013/

3 de abr de 2013

Deusa Brighid

Chame a Deusa Brigid na sua qualidade de protetora com esta simples oração, que pode ser repetida diariamente:

Brigid, Deusa vitoriosa da luz,
Cubra-me com teu manto sagrado,
Vigie-me sempre com teus olhos,
Proteja-me com teu cajado,
De manhã e até anoitecer,
Por onde eu andar ou estiver,
De dia ou de noite, que eu seja sempre protegida,
Honrada, acolhida e favorecida,
Brigid, Deusa poderosa e protetora,
Fique ao meu lado e seja a minha companheira,
Minha conselheira, guardiã e defensora!

A Naoimh Bhrid Gui Orainn
(pronuncia-se A Nem Brid Gui Orin que significa “Santa Brigid ore por nós”!)

fonte: Recanto das Bruxas / facebook